Orquestra de Teutônia

A Orquestra de Teutônia - Rio Grande do Sul, foi criada em 1983, logo após a emancipação político-administrativa de Teutônia, contando inicialmente com 13 músicos que se encontravam semanalmente, sob a coordenação do Professor Airton Grave.

Orquestra de Teutônia

Tinha como função principal levar a música instrumental para festas comunitárias e outros eventos socioculturais.

Paralelamente ao trabalho da Orquestra, funcionava gratuitamente, no Centro Cultural 25 de Julho, de Teutônia, uma escola de música que visava a formação de novos instrumentistas. Um grande projeto musical foi iniciado em março de 1986, com mais de 50 alunos inscritos para aulas de trompete, trombone, saxofone, clarinete, teclados, violão e bateria. Muitos instrumentos foram adquiridos pelo Centro Cultural, e emprestados aos alunos. Após 3 anos de estudos, nasce a Orquestra Mirim de Teutônia, quando a maioria dos alunos tinha seus 12,13 ou 14 anos de idade.

Com o passar dos anos os alunos que mais se destacaram, passaram a integrar a Orquestra, dando vida e energia nova à Orquestra, que passava a ter em 1991, 24 músicos, e uma média etária de 16 anos. De concerto em concerto o grupo crescia tecnicamente e adquiria mais confiança. O repertório era atraente aos ouvidos da platéia que prestigiava as "Noites Culturais" promovidas pela orquestra.

Desde 1996, a Orquestra vem crescendo gradualmente e dando espetáculos nos principais eventos culturais, congressos e feiras do Rio Grande do Sul.

Em 1997, foi convidada a participar do "3º Festival Internacional de Música de Grimma, na Alemanha, categoria Orquestras de Sopro, concorrendo com mais 25 orquestras européias e conquistando o 1º lugar. A participação da Orquestra se deu graças a parceria com o MINC, que concedeu 12 passagens aéreas.

Em 1998, realizou a 1ª turnê pelo Brasil, com espetáculos em Blumenau e Brusque (SC), Curitiba (PR), Parque do Ibirapuera, Campinas e Rio Claro (SP) e Uberaba (MG) sendo ouvida por aproximadamente 12.000 pessoas. Nesse ano também, um novo investimento visando um espetáculo mais atraente, vibrante e completo. Um trabalho de expressão corporal. Um ato pioneiro para este tipo de formação. Agora, a maioria das peças teria sua própria coreografia. É, sem dúvida nenhuma um grande diferencial do grupo.

Em 1999, gravou o seu 1º CD, contando com o apoio da "Lei de Incentivo à Cultura" e de empresas teutonienses. Nesse CD estão registradas as peças mais interpretadas desde 1996.

Em setembro de 2000, participou do "4º Festival Internacional de Música de Grimma", na categoria Orquestras Estrangeiras, onde mais uma vez conquistou o 1º lugar, concorrendo com orquestras do Japão, Iugoslávia, Hungria, Polônia, Holanda, Chechênia e

República Tcheca. Novamente, a Orquestra contou com o apoio do MINC que concedeu 14 passagens aéreas.

 

Em 2001, participou de eventos de grande importância no cenário gaúcho, como o Congresso Mundial sobre Treinamento com participação de mais de 30 países e um público aproximado de 5.000 pessoas, e a solenidade de entrega do Prêmio Qualidade RS 2001, onde o tema era a Música: sua técnica, sensibilidade e principalmente a paixão. Nesse último a Orquestra foi responsável por toda parte musical, sendo apreciada por mais de 6.000 espectadores que se encontravam no Salão de Eventos da PUCRS. Realizou 36 espetáculos atingindo aproximadamente 55.000 ouvintes distribuídos em mais de 20 cidades gaúchas. Também, em dezembro, a Orquestra Municipal de Teutônia foi agraciada com o troféu Alicerce Cultural 2001.

Em 2002, realizou 40 espetáculos e também gravou o seu 2º CD com o apoio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Em 2003, realizou 38 espetáculos com mais de 50.000 ouvintes.

Em 2004, realizou espetáculo durante a posse da Diretoria da CNDL´s, em Brasília.

Em outubro de 2004, recebeu o troféu Cultura Gaúcha, numa homenagem do Governo do Estado do Rio Grande do Sul aos grupos que mais se destacaram durante o ano.

Em 2005, iniciou uma série de Concertos Didáticos visando repassar dados, curiosidades e aprendizado a toda rede escolar de Teutônia. Nesse ano realizou 53 espetáculos, atingindo aproximadamente 39.000 ouvintes.

Em 2006, continuou a série de concertos didáticos e apresentou em setembro, um espetáculo com Renato Borghetti, visando novos desafios e a busca de novas sonoridades. Realizou 59 espetáculos atingindo aproximadamente 82.000 ouvintes.

Em 2007, preparou um espetáculo novo chamado "Tributo a Ray Conniff", numa homenagem ao grande maestro norte americano, que com sua marca registrada de misturar timbres da voz humana com os timbres dos metais, influenciou várias gerações de músicos por todo mundo. Esse novo trabalho homenageia também grandes compositores, como Ary Barroso, Burt Bacharach, Bert Kaempfert, entre outros, e grupos imortais, como o ABBA e The Carpenters. A estreia foi em 26 de setembro e culminou com o lançamento do 3º CD da Orquestra.

Ainda em 2007, a Orquestra ensaiou a organização de um Planejamento Estratégico, e fruto desse estudo, montou e espetáculo "Orquestrando a Excelência", em parceriacom a palestrante Ana Giovanoni. Nessa mostra, os músicos e o maestro apresentam de forma lúdica e prática, a aplicação dos requisitos dos critérios de excelência na gestão da orquestra.

 

Nesse ano, foram realizados 50 espetáculos, para um público aproximado de 39.000 ouvintes.

Em 2008, ano dos festejos do jubileu de Prata, o grupo gravou o 3º CD, "Tributo a Ray Conniff", com apoio do MINC e de várias empresas gaúchas. O lançamento ocorreu em 15 de maio, em noite com muitas homenagens. Ainda nesse ano preparou um álbum natalino, "Natal para todos os anos", lançado para a imprensa em fins de novembro, e durante o mês de dezembro, em várias cidades gaúchas.

Nesse ano, a Orquestra realizou 43 espetáculos, atingindo um público aproximado de 45.000 ouvintes.

 

O ano de 2009 iniciou com uma turnê pelo litoral gaúcho, contemplando 6 praias: Capão da Canoa, Mariluz, Pinhal, Tramandaí, Arroio do Sal e Torres. Aproximadamente 18.000 pessoas assistiram aos shows.

Em 30 de julho desse ano a Orquestra, com o apoio de vários patrocinadores, gravou ao vivo, seu primeiro DVD e seu quinto CD, chamado de "Trajetória - Especial 26 anos". O álbum registra a história musical vivida pelo grupo ao longo de sua caminhada e também, toda versatilidade de repertório. O músico Renato Borghetti foi o convidado especial da noite. Na produção, várias equipes e profissionais da área se juntaram à Orquestra, visando um produto de qualidade. O lançamento ocorreu em início de dezembro com vários shows por todo Rio Grande do Sul. Ao longo desse ano, realizou 49 espetáculos, atingindo um total aproximado de 61.200 ouvintes.

Em 2010, o grupo realizou 51 espetáculos, atingindo um público aproximado de 54.750 ouvintes.

Em 2011, a Orquestra realizou 79 espetáculos, para um público aproximado de 80.000 ouvintes.

Atualmente, a Orquestra possui 26 músicos, distribuídos em naipes (saxofones, trompetes, trombones, teclados, guitarra, baixo elétrico, bateria e percussão), com arranjos e direção musical de Astor Jair Dalferth.

A Orquestra de Teutônia é conhecida no sul do Brasil pelo seu repertório sempre atualizado, pela vibração, energia e balanço impostos pelos instrumentistas que fazem o público vibrar, dançar e se emocionar.

No repertório, o que há de melhor da MPB, Jazz, temas musicais do cinema mundial, Rock, Pop Rock, música Latino-Americana, folclore gaúcho, alemão e italiano. Por tudo isso é que a Orquestra de Teutônia é tão requisitada e, por onde passa, deixa a marca da excelência musical inspirada nas grandes orquestras de Glenn Mille, Ray Conniff, James Last e Perez Prado. Com um grande diferencial: o balanço brasileiro que proporciona um espetáculo diferenciado, moderno, e inovador.

.